Que tipo de homofobia você já sofreu?


Homofobia é crime, não seja cúmplice. Denuncie.

sábado, 10 de julho de 2010

Por quê eles me definem?

Se eu fosse contar a quantidade de nomes que eu já ouvi as pessoas me chamarem por causa da minha sexualidade, daria para fazer uma lista quase interminável, rs.

A questão é: De quais nomes, você, gay ou lésbica, já foi chamada (o)? E quantas vezes? Já parou alguma vez para pensar de onde eles vieram? Quem os criou? Qual o "mito" por trás deles? E principalmente, por que são usados de forma pejorativa? Por quê eles te definem?

Como boa curiosa, eu fui fazer uma varredura on-line para tentar descobrir de onde vêm essa pejoratividade das palavra "viado" e "sapatão". Se vocês quiserem me sugerir outros termos para pesquisa, é só pedir :)

Diz-se de pesquisa científica que o veado (animal) logo após acasalar-se com a fêmea, ajunta-se aos outros machos, para que eles possam "despejar esperma" nele. E fazem isso uns aos outros. Provavelmente algum curioso número 3 correlacionou esse ato instintivo com o ato do coito entre dois homens homossexuais (ou ele simplesmente imaginou que era assim e passou isso pra frente!?)


Segunda informação; originalmente não se sabe o por quê da mudança semântica e gráfica do vocábulo "veado" para "viado", da forma como é usado hoje. As palavras "transviado","desviado" (muito usadas nas décadas de 60 e 70 para designar a "juventude "transviada") teriam dado origem a abreviação da mesma, passando automaticamente para "viado". O que nesse contexto quer dizer algo invertido, trocado. Dá para fazer alguma correlação, né?
O problema ainda reside no como e no por quê esta palavra veio a designar os homossexuais masculinos. E hoje, dá para perceber com um estigma puxa para o outro. Tudo o que se apresenta diferente, e fora dos padrões de "homem macho sim sinhô", passa a ser entendido como "coisa de viado", ou até este mais recente: "viadagem".

Agora, deixa eu "fuçar" a internet atrás da "sapatão"

A nomenclatura surge do fato prático — e verdadeiro, costumeiramente — de terem os homens tamanhos maiores do membro inferior, o pé, vindo, assim, a naturalmente calçar ou usar sapatos maiores do que aqueles — menores, pequenos — de ordinário usados pelas mulheres. Aí, para completar, a ignorância e a baixa capacidade intelectual dos indivíduos sociais, acaba pré-julgando que a mulher homossexual nutre o desejo de se transformar em homem. (afff, desejo homoerótico é diferente de transexualidade, po@%#$!) continuando, se ela quer ser homem então vai usar os acessórios do vestuário masculino. = Sapato grande = sapatão. E fez-se a desgraça!

Caramba, hein? Quer dizer que o meu pé pode ser pequenininho, tamanho 32, e eu tenho que ser sapatão só por que gosto de mulher? Quanta confusão! Mas quem foi o energúmeno que terá sido o brilhante criador dessa gíria, eu me pergunto.


O caso é que, querida (o), automaticamente quando você se assume homossexual, você ganha um (vários) nomes. Você ganha estigma, você ganha uma espécie de rótulo. E todos irão te chamar assim. O que nos resta é nos apropriarmos deles para que assim possamos desconstruir o caráter ofensivo deles, e só rodarmos a baiana quando Realmente nos sentirmos ofendidos.

Se me gritarem sapatão: -Sapatão, não. Senhorita lésbica para você, meu bem.
Se te gritarem viadinho: -Viadinho é filhote de cervo, eu sou é gay.

Fontes: miltonribeiro.opsblog.org/2010/01/19/a-origem-da-utilizacao-da-palavra-%E2%80%9Cveado%E2%80%9D-para-designar-homossexuais-no-brasil/

e Santa Wikipédia ;D

Um comentário:

Leidy Melo disse...

Ai Isa eu tava lendo os teus últimos posts aqui, estão muito bons menina, amei esse último, você falou e disse, sem mais. ^^
Te adoro.